Sarandi, Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014
SAC: 0800-7038501 - sac@usicamp.com.br

19.09.2012
BNDES financiará 1ª usina de etanol celulósico...
30.08.2012
Etanol na berlinda ...
21.08.2012
Produtores de cana e etanol defendem desonerações para estimular o setor ...

mais notícias >>

19.03.2012
2020: mais cana na matriz energética depende de investimentos no setor
Esta é a opinião do consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Alfred Szwarc, sobre um dos aspectos do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2020), divulgado em 2011.



“Apenas a sinergia entre várias ações poderá assegurar à cana uma posição sustentável em 2020. Investimentos em novas unidades produtoras, inovação tecnológica, redução de custos e uma crescente profissionalização do setor são ações que deverão ocorrer de forma simultânea. Só assim haverá uma maior oferta de cana e de seus produtos derivados,” afirma o executivo da UNICA.



As projeções que indicam o aumento do uso do etanol e da bioeletricidade nos próximos oito anos foram reafirmadas pelo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME, Altino Ventura Filho, durante participação no congresso de geração de energia EnerGen LatAm 2012, realizado no dia 30/01 no Rio de Janeiro (RJ).



Ventura enfatizou os dados publicados no PDE 2020, elaborado em junho de 2011 pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). No documento, os dois derivados da cana e o gás natural - que subirá de 10,3% para 14,4% - serão as únicas fontes de energia a aumentarem suas participações na matriz energética brasileira na próxima década.



Outro destaque está na redução da participação de duas fontes muito utilizadas no Brasil: o petróleo e a hidroeletricidade. Os recursos fósseis cairão de 36,9% para 30,4% na matriz energética nacional, mesmo com a exploração da camada pré-sal, cujo conteúdo deverá ser exportado, segundo o MME. Já a hidroeletricidade, que hoje ocupa 14,1%, deverá ter o percentual reduzido para 12,5%, deixando de ser a terceira fonte energética do País, que passará a ter o gás natural nesta posição.



Na opinião do especialista em Emissões e Tecnologia da UNICA, estas perspectivas não vão alterar a condição do Brasil como uma das nações que mais utilizam energias renováveis em todo o mundo. Atualmente, elas representam 45,5% de todas as fontes energéticas utilizadas no País, informa o último Balanço Energético Nacional (BEN 2011).



2020 e além



Os desafios para que os canaviais consigam suprir a crescente demanda por etanol nos próximos anos foram tema da plenária “2020 e além: O futuro do setor sucroenergético” no Ethanol Summit, realizado em junho do ano passado, em São Paulo (SP). O vídeo está disponível para consulta no canal do Ethanol Summit 2011 no YouTube.



Na ocasião, presidentes de seis grandes grupos produtores (LDC-SEV, São Martinho, Cosan, ETH, Guarani e Renuka), cujas empresas representam 25% de toda a produção sucroenergética no Brasil, debateram questões ligadas à logística de produção e transporte do biocombustível derivado da cana. E o consenso foi de que há um longo caminho a percorrer.



Projeções da UNICA indicam que em 2020, para abastecer 45% da frota de veículos leves que estarão em circulação no Brasil, serão necessários 50 bilhões de litros do combustível renovável. Para atender 60%, a produção terá de subir para 70 bilhões de litros.



Fonte: Valor Econômico

 

<< Voltar



Sarandi - PR ( Matriz )

Av. Antônio Volpato, nº 3680, Pq. Ind.,
CEP: 87111-011 - Cx. Postal 41
Fone: (44) 3264-8500, Fax: (44) 3264-8503,
E-mail: usicamp@usicamp.com.br
Chavantes- SP

Rua Vicente Paulo Bergamo, nº 501,
CEP: 18970-000, Chavantes – SP,
Fone: (14) 3342-1211, Fax: (14) 3342-1103,
E-mail: chavantes@usicamp.com.br
Itumbiara - GO

Via Primaria 03, Distrito Agro Industrial,
CEP: 75503-970, Itumbiara – GO,
Fone: (64) 3433-8200,
E-mail: Itumbiara@usicamp.com.br